É PROIBIDO MAGOAR.

Deus devia ter acrescentado um 11o mandamento, que devia ser o 3o, em ordem de importância. Depois do amor ao próximo, ainda que esse pudesse englobá-lo. Seria: “não magoarás.” Pra ser bem explícito. Porque o ser humano, meu Deus, não entende. É mesmo tonto. É cabeça dura. Nada evoluído.

A maioria de nós já esteve lá. Várias vezes. No lugar da vítima. E no lugar do algoz. No meu caso, os dois lados sempre foram doloridos. Me dá dor no coração ver alguém sofrendo, porque, ô – I’ve been there. E esse there dói muito, mas muito mais.

Na seara do relacionamento a dois – que é o meu foco – devia ser proibido. Proibido não gostar de quem gosta da gente. Devia ser pecado brabo. Crime. Hediondo. Taí, eu apoiava essa pena. Pro magoador e, em caso de traição ou romance-imediato-que-não-deixa-passar-o-tempo-do-luto-com-outra(o), pra ela(e) também – por ser cúmplice, partícipe.

Devia ser proibido ser feliz à custa do sofrimento alheio. Eu, infelizmente, já quase fiz o papel de algoz do quesito deste parágrafo. Não, não teve traição, nada sórdido. Mas foi de um jeito que a gente sabe que não tá sendo legal com o outro, sabe? E, confesso, não fui mesmo feliz enquanto buscava a felicidade dessa maneira. Fico, inclusive, aliviada com o fim da situação. Acho que nunca ia me livrar da culpa.

O curioso é: não é que tem gente nascida livre da tal da culpa? Talvez seja bom pra essa gente. Mas não deixo de achá-la cruel. Um fato inusitado pra mim é que, num ímpeto, cheguei a parar de seguir a Gabriela Pugliesi (apesar de gostar muito do jeito dela e até admirá-la) no Instagram quando – segundo boatos – ela traiu o marido e – fato – o trocou pelo barbudo. Me recusava, gente! Olhava as fotos do novo casal e só pensava no pobre do “Thi”. Não é da minha conta, eu sei. Sequer sei direito o que aconteceu (queria que a Gabriela me explicasse!). Não deveria me importar. É muito provável que o “Thi” nem queira, nem precise da minha piedade. Mas é assim que tenho conseguido reagir a isso que chamo de “injustiça”. Tomei as dores mesmo e assumo. Me envolvi.

Estava assistindo a uma dessas novelas das 8, há um tempo atrás, na casa do meu primeiro ex-namorado e participei de uma conversa da qual nunca me esqueci, em meio a querida família dele. Na cena da novela, a mocinha largava tudo pra ficar com um certo “carinha”. A irmã mais velha desse meu namorado revoltou-se logo, e disse: “po, querida, esse não. Esse é da outra, parte pro próximo! Tanto homem por aí!”. Eu fiquei pensando naquilo e logo trouxe o debate à baila: “poxa, mas se era um grande amor, ela não deveria lutar por ele?”. E foi aí que a mãe deles, que é psicóloga, sabiamente, disse: “Pode ser. Mas acho muito difícil alguém conseguir a felicidade sabendo que causou tanto sofrimento a alguém.” Isso nunca saiu da minha cabeça. E acho que ela estava certa. No fundo, ainda espero que ela esteja. Seria uma forma de o mundo formar sua própria justiça. Dar sua própria volta.

E tudo isso acontece porque sabemos que, nós humanos, não passamos mesmo de raça de víboras. Masoquistas. Que gostamos de sofrer e desafiar quem não gosta da gente a gostar. Depois sofremos e fazemos alguém sofrer. Pra compensar. Não atacamos a vítima certa. A pena sai difusa, atingindo qualquer próximo que vier. E, de certa forma, nos sentimos redimidos quando magoamos alguém depois de termos sido magoados. A gente se sente o tal. O fênix ressurgindo das cinzas. É um mix de prazer e compaixão – ou pena mesmo. Nossa, como somos loucos. Quisera Deus ter-nos feito menos complexos.

Há quem pense, e eu entendo, de certa forma: “don’t hate the player, hate the game”. Mas esse jogo é perigoso, meu caro. Nem toda aventura termina bem. A maioria não termina. Ou melhor, nem começa. São tantas as variáveis pro amor. Minha próxima crônica vai ser: “de que é feito um crush?”. Dá certo quando a gente decide que vai dar. Os dois decidem fazer do outro vencedor. Vencer juntos. Sem vítimas. Sem perdedores. E pronto – e ponto. Ao mesmo tempo. E de comum acordo. E aceitam corajosamente a felicidade. Enquanto a intrepidez não vem, a gente vive a música do Chico – e o poema do Drummond: “Carlos amava Dora, que amava Lia, que amava Léa, que amava Paulo, que amava Juca que amava Dora, que amava…” – “João amava Teresa, que amava Raimundo, que amava Maria, que amava Joaquim, que amava Lili, que não amava ninguém.”

É, essa história é velha, meu amigo.

Haverá quem diga: “para tudo. Vejo fumaça da infantil apologia de um mundo incólume, protegido de frustrações e crescimento, onde as pessoas não teriam mais o direito de se entristecer, ou entristecer os outros. Você quer extirpar o sofrimento do mundo, é isso? E ainda culpar os 10 mandamentos? Onde ficariam, além disso, as mais belas músicas, os poemas inspirados e toda a produção que a tristeza gera?”

É, também pensei nisso. A tristeza ajuda o mundo a se aperfeiçoar. Deus é mesmo sábio. Não é justo culpá-lo por não ter mandado Moisés acrescer mais um mandamento às tábuas, no início da civilização. Mas – poxa – mesmo no campo do amor-paixão, a morte, as doenças e a distância continuariam existindo. Casos fortuitos, que ainda permitiriam à gente um bom filme, um bom livro, uma boa música. Gerariam a melancolia e a profundidade necessária de sentimentos. Mas não mágoa. Magoar não. Esse verbo não.

Anúncios

2 respostas em “É PROIBIDO MAGOAR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s