A CIDADE EM QUE CHOVE TODO DIA: BELÉM, PARÁ, BRASIL. E MUITA COMIDA.

Destacado

Gente, como toda dieta, a minha tem suas escapulidas. Rs. Então vamos sair da dieta um pouquinho porque eu sinto que vocês gostam mesmo é de gordices! #safados

Eu nasci no Rio, mas minha família toda é do Pará e eu tenho “mil” tios, tias e primos. Assim sendo, sempre tenho uma festa 15 anos, casamento ou formatura como pretexto pra visitar esse Estado que eu amo! Ótimas lembranças adolescentes de lá.

Nas férias, sempre íamos pra Salinas, que é a “Búzios” de lá, onde ocorre todo o burburinho e pra onde a cidade de Belém inteira migra nas épocas de recesso, principalmente em julho, que é quando faz calor por lá! (É quase no hemisfério norte! Acho muito curiosa essa inversão de climas dentro do Brasil).

Mas, na maioria das vezes, vou só pra esses eventos de família e fico estacionada em Belém mesmo. Que, pra mim, já tem sua mágica. Imagina uma cidade em que cai uma chuva gostosa, quente e gorda, todo dia lá pelas 17 hs? Acho muito gostosa e reconfortante essa hora. Os programas informais lá não têm hora. Ficam sempre pra depois da chuva.

Coisa de clima equatorial, que garante muitas sombras e árvores verde escuras e frondosas pra amenizar o calor.

Bom, apresentados à região, vamos falar da comida, que é o que interessa no post de hoje. E o que tem de melhor lá. E no Brasil inteiro. Sem medo de parecer pretensiosa ou querer puxar sardinha para os meus amados, animados, calorosos e festejantes primos, tios e avós. Haha. Já puxei, claro.

Então, é tanta comida lá, que nem sei por onde começar, mas acho que vou iniciar pelos nomes esquisitos que citei no instagram agora nesta última viagem que fiz pra formatura da minha prima linda Geórgia (obs.: gente, as formaturas lá são um show à parte! Todas as formandas de vermelho, com coreografia etc. Muito legal! Amei! O povo é de fato muito animado e festeiro! E há nichos da sociedade paraense que não têm nada de brega, ao contrário do estereótipo popular.)

Bom, vou começar explicando o que comi dessa vez nos 2 restaurantes que eu fui lá do Chef local Thiago Castanho: O Remanso do Bosque e o Remanso do Peixe.

No Remanso do Bosque:

10957747_395789710592135_7328336189903927430_n

Então a primeira foto era um bolinho de peixe (não me lembro qual agora, mas provavelmente de Rio. A região norte é toda banhada de Rio e os peixes de lá são incríveis, geralmente carnudos e sem espinha!) – esse molhinho provavelmente era de Tucupi e Jambú (ÊEE Chute! Rs) – mas é que muita coisa lá leva esses 2 ingredientes sensacionais e eu precisava de uma desculpa pra falar deles aqui! Rs:

Jambú (não tem esse acento no u, gente, mas estou escrevendo assim pra vcs saberem como fala!)- É uma planta verde escura, conhecida por adormecer levemente os lábios. Mas usada em poucas quantidades eu acho esse efeito quase imperceptível! Amo o gosto da folha mesmo! E vai bem em vários pratos e molhos! Ela é anestésica, diurética, digestiva, sialagoga, antiasmática e antiescorbútica. Os seus capítulos possuem propriedades odontálgicas e antiescorbúticas.

Tucupi – “é o sumo amarelo extraído da raiz da mandioca brava1 quando descascada, ralada e espremida (tradicionalmente usando-se um tipiti). Depois de extraído, o caldo “descansa” para que o amido (goma) se separe do líquido (tucupi). Inicialmente venenoso devido à presença do ácido cianídrico, o líquido é cozido (processo que elimina o veneno) e fermentado de 3 a 5 dias para, então, ser usado como molho na culinária.2 O amido, também chamado polvilho é separado do líquido e lavado e decantado em diversas águas. Após ser seco, é esquentado no forno, formando grânulos, a chamada tapioca.3

Pois é, muita coisa de lá vem da própria mandioca! Incrível né?

E falando na tapioca, esses dadinhos do lado direito eram de farinha de tapioca! O povo come lá isso com açaí! E quando hidratada, a tapioca vira tipo um sagú! Bem molinho! É por isso que dá pra fazer, sorvete, pudim, bolo etc. O bolo de tapioca, depois de pronto fica parecendo que levou gelatina, tem uma textura fofinha incrível!! Uma delícia!!

Mas o show do restaurante pra mim é esse filhote da foto de baixo. Parece pequeno na foto! Mas dividi com a minha irmã e a minha prima e saímos satisfeitas! O acompanhamento era aipim e esse feijãozinho branco. Mas pedimos uma farofa pra acompanhar, claro. Porque Pará sem farofa não dá! Peixe com farofa é o que tem de mais típico lá!!

Filhote – É um peixe gente!!! E não necessariamente é um “filhote” propriamente dito! Rs. Na verdade ele é enooorme!!! O outro nome dele é Piraíba. É um peixe de couro, escuro, cabeça grande e olhos pequenos. Pode pesar até 300kg e medir cerca de 2 metros. O dorso pode chegar a mais de 30cm. Os peixes pesando até 60kg são conhecidos como filhote.

A sobremesa era chocolate com cupuaçu!

Cupuaçu – É uma fruta azedinha e doce ao mesmo tempo! Delícia!!! Tem sorvete de Cupuaçu; Torta de Cupuaçu (amo!); Cupuaçu com queijo; Cupuaçu de todo jeito!

No Remanso do Peixe:

IMG_9250IMG_9263

No Remanso do peixe foi vez da Pescada Amarela!! Outro peixe que eu AMO de lá! Acho que é o meu preferido!!

Pescada Amarela – É um peixe enooorme e carnudo tbm! Uma vez vi inteiro no mercado regional do Ver-o-Peso e fiquei chocada!

O pudim da foto ao lado era o famoso pudim de tapioca com calda de cumaru.

Cumaru – esse eu nunca tinha provado. Acho que é menos usual lá. Ou usam pouco na minha família. Rs. Pelo que eu entendi, é uma árvore frutífera, da qual se usam o fruto e as sementes.

Outras gordices que comi nessa viagem:

IMG_9312

Sorvete de Tapioca + Sorvete de Açaí.

Não adianta gente, nem a Bacio di Latte faz um sorvete de tapioca igual. Eu nem peço mais sorvete de tapioca nessas sorveterias do sudeste porque é frustração na certa. E olha que eu já tentei muito! Rs. É algo que pra conhecer mesmo vc tem viajar pra lá, ou pedir pra alguém trazer! OOOOu vir na minha casa comer, porque a gente sempre traz o legítimo!! hahaha Mas é verdade todo mundo que vem na minha casa, ou come esse sorte em alguma festa da minha família comenta. É o melhor e super diferenciado. Não tem igual. As marcas mais conhecidas de lá são a Cairu e o Ice Bode (O Ice bode é do ex marido da dona da Cairu! Portanto, é igualzinho! Hoje eles são concorrentes). Mas já comi até na sorveteria do aeroporto de Belém e era mara! Acho que o segredo é fazer lá!

Sobre o açaí, acho que não preciso dizer que o de lá também é O legítimo né? Bem mais grosso e tal! E o povo come sem guaraná, que é o que torna o açaí do Sudeste muito calórico! Dizem que 100g do açaí sem guaraná tem no máaaximo 100 Kcal, ou seja, a mesma quantidade de calorias de uma fruta normal. Mas o gosto é bem terroso e diferente pra quem nunca provou! O povo come lá com bastante açúcar ou adoçante, ou em forma de sorvete! Exceto a minha vó e esse povo “roots”que conseguem comer a fruta totalmente pura mesmo! Mas é que nem comida japonesa, gente. Tudo questão de costume!

10924727_396257367212036_5933157008526136796_n

Essaa cerveja regional também é legal de experimentar, mas já vi vendendo em vários lugares aqui pela região sudeste. Algumas são misturadas com sabores de frutas da Amazônia! Achei todas sensacionais!

Bom, as próximas fotos eu peguei da internet, só pra tornar o post mais completo. E não peguei os créditos. (ops). dos seguintes pratos típicos. Se o dono das fotos ler isso, me avisa que eu dou os créditos!!

Dessa vez não comi nenhum dos 3 próximos pratos típicos, mas já os comi muito na vida!!!

1Pato no Tucupi – É nada mais nada menos que pato com aquele molho amarelo de tucupi que eu expliquei acima e o famoso jambu! Delícia Master.

pato-no-tucupi-

2Maniçoba!!! (Escrevo com muitas exclamações porque eu piro nesse prato!). É uma espécie de feijoada (com todas as carnes e acompanhamentos de uma feijoada tradicional) só que ao invés do feijão, é feita com a Maniva e o seu caldo! Ela tem esse aspecto meio verde musgo, e alguns visitantes têm preconceito com a aparência dela! Mas vai por mim, gente, o sabor dessa erva é surreal! A Maniva nada mais é do que a folha da mandioca! (não disse que tudo vinha da mandioca?). Ela é venonosa se comida crua e precisa de 4 a 7 dias de cozimento pra deixar de ser tóxica! Dá uma trabalheira, mas é um prato muito comum e muito servido nas casas dos belenenses! Se tiverem oportunidade experimentem e me digam o que acharam!

manicoba2

3 – Tacacá – esse é o que eu menos gosto. Mas o povo ama! É jambu (muito jambu! Esse arde e tremelica bastante a boca!), tucupi, camarão seco e goma de tapioca! Tem gente que pede sem a goma pra ficar mais light! É costume comer no fim da tarde, na hora da chuva, debaixo das barraquinhas, na saída dos colégios. É uma cena muito poética e linda, gente! Acho Belém uma cidade cheia de magia e encantos. Tentem não passar por essa vida sem conhecer a cidade! Vale a pena!

url-1

E escrevo pra vcs deliciando o meu açaí com água filtrada tipicamente paraense com farinha de tapioca que a gente traz aos litros de lá!

IMG_9310

Espero que tenham gostado! Foi bem cultural esse post né, gente?! Ufa!

Abraços e beijos calorosos em vocês. Que nem os dos paraenses.

Anúncios

SANTA MORDOMIA EM LONDRES!

Destacado

Ei, Mordomos, dei uma sumida por aqui por causa das férias, mas estou sempre pensando em vocês!

Vamos estrear 2015?

Falando dela, a histórica, populosa, cosmopolita, badalada e com um poder de atração fatal incrível: Londres! Sempre fui fã de Paris, gente, mas acho que Londres é melhor, viu? A última vez em que estive lá foi pra fazer aqueles intercâmbios de 2 meses em Oxford, aos 16 anos, e passeei um pouquinho por Londres. Foi a melhor viagem da minha vida, mas acho que não tinha maturidade, nem experiência de vida o suficiente, para entender as cidades em si, pelo que são, como as entendo hoje.

Londres, apesar de fria, é uma cidade quente. Criativa. Iluminada. É cheia de acontecimentos; gente bonita, simpática e interessante; shows de primeira; musicais no melhor estilo Broadway; lojas incríveis e restaurantes tops!

Com esse post, não tenho a pretensão, nem de longe, de esgotar Londres (até porque seria impossível), tampouco dizer que as programações que eu fiz foram “AS MELHORES” da cidade! Mas partilhar com vocês a minha INCRÍVEL experiência de 1 semana e recomendar o que eu achei altamente recomendável! Get it?

Dito isso, creio que o bom Deus me agraciará com a oportunidade de voltar a essa cidade cheia de história pra contar e vida pra ser vivida mais vezes. Daí quem sabe faço um post mais pretensioso!?

Mas vambora nesta viagem inesquecível e comecemos com a minha ordem de preferências!

Observação: tudo que estiver nessa cor-de-terra-meio-vinho é um link clicável que te redireciona às páginas em questão? Ok?

1 – O número 1; top first; fenomenal, “show de bola” que um dia espero estar no post: “os melhores de Londres”, é o restaurante FIFTEEN do JAMIE OLIVER . Ele tem outros restaurantes também que estão listados aqui, nesta página dele, mas parece que o FIFTEEN é o seu queridinho. Fiquei com muita vontade de ir também no JAMIE’S ITALIAN, visto que amo massas (fica pruma próxima!), mas fiquei plenamente satisfeita de ter escolhido o FIFTEEN, como primeiro restaurante do Jamie a conhecer.

No FIFTEEN todo o lucro do restaurante é revertido para a instituição de caridade do Jamie (a The Jamie Oliver Food Foundation) cujo objetivo é inspirar e qualificar pessoas desempregadas ou com dificuldades financeiras a trabalhar e seguir carreira em um restaurante. O nome FIFTEEN refere-se, em inglês, ao número inicial de jovens que aderiram à proposta de aprendizado do restaurante e 80% seguem na carreira em vários lugares do mundo. O Fifteen foi criado em 2002 e hoje 25 Chefs profissionais trabalham no local para criar um menu diário com ingredientes frescos da estação. Muito amor por ele né? Virei mais fã do que nunca.

O ambiente é jovem e escurinho, a decoração é linda, descolada, charmosérrima! A parte de cima é um bar com mesas, mais descolado ainda. Também servem a mesma comida do restaurante no bar e não há necessidade de se fazer reserva para sentar lá (na foto abaixo, imagens da linha de cima). A parte debaixo é o restaurante propriamente dito e é imprescindível fazer a reserva (imagens da última linha).

foto colagem do ambiente do fifteen jamie oliver

Achei os preços do FIFTEEN super em conta e até o alface que vem de acompanhamento nos pratos é sensacional! A entradinha-geral-compartilhável que pedimos era tão boa – uma batata num formato que eu não saberia descrever, mas era parecida com aquelas hóstias de camarão que se servem nos restaurantes chineses? Sabem? E acompanhava uma maionese de trufas (pensa: maionese (!) – amo! #foodpornlovers + trufa que é =melhor fungo inventado por Deus! IMPOSSÍVEL não ser delicioso). Não aguentamos e pedimos 2! hashtagexagero. É a primeira imagem da foto abaixo. O melhor cordeiro que eu já comi na vida, que era um entrada (sim, entrada, pasmem!) farta e custava 10 libras é a segunda foto da esquerda pra direita. E o prato principal que eu mais destacaria é esse pato que está no meio, com uma folha de alface por cima, que serve 2 pessoas! Mas provei todos, e não havia um sequer que não fosse de comer ajoelhado! SÉRIO! E olha que eu sempre desconfiei dos ingleses fazendo comida. Minhas lembranças do intercâmbio na casa de família que eu fiquei eram as piores em termos gastronômicos. Aquela coisa básica da família tradicional inglesa: batata + ervilha sem sal. Todo santo dia. Muita paciência. Pois é, meus caros, mas quando os ingleses se metem a ser bons no que fazem, ah, eles são, e superam todos.

Eis as fotos de tudo o que pedimos:

pratos do jamie oliver

Em sentido horário: 1 – batata em forma de hóstia de camarão; 2 – cordeiro de entrada; 3 – cordeiro de prato principal; 4 – pato que serve 2 pessoas; 5 – massa de ricota com espinafre; 6 – carne; 6 – sobremesas.

NÃO DEIXEM DE IR!!! Vale muito mais a pena que o Gordon Ramsey!!! O FIFTEEN do Jamie Oliver, na minha opinião é 10!!! E o SAVOY GRILL do Gordon, de que falei no instagram, é 7!! Pelo ambiente, pela comida, por tudo!! Sugiro pra quem quiser conhecer o bife Wellington do Gordon, que prefira ir no do Hotel Paris, em Las Vegas, o GORDON RAMSEY STEAK, a menos que estejam em Londres e enlouquecidamente ansiosos. Risos.

2 – O italiano em Londres: ZAFFERANO. Chegamos cansados do aeroporto, morrendo de fome, no feriado do dia 1o de janeiro, com tudo fechado, e pedimos uma indicação no hotel de um restaurante por perto, descolado, gostoso, que pudéssemos estrear Londres, considerando o nosso estado de “destomados banhos”e “cansados”. Tarefa difícil pro concierge do Hotel Burkeley, onde ficamos hospedados. Ele mesmo disse que era complicado, porque se tratava de um feriado. Mas depois veio com esse nome e me disse ao pé do ouvido: “é o meu restaurante preferido.” E como disse no instagram e na página do facebook, são desses acontecimentos que são feitos os melhores restaurantes.

Nossa, que surpresa agradável: Massa espetacular. Casa de italianos mesmo. Pedi uma das opções do menu de almoço – um tagliatelle massa fresca com ragú de carne que fiquei 3 dias com gostinho de quero-mais (é a terceira imagem, em sentido horário, da foto seguinte). Eu geralmente não curto tanto massa fresca, prefiro a grano duro, porque gosto de massa bem al dente! E a massa fresca deles estava perfeita. Al dente como nunca vi uma massa fresca!! Com tempero aconchegante, cozy e inspirador! Nem sei descrever! Tudo estava uma delícia, desde a entrada e salada até as sobremesas. O vinho que pedimos, Rosso de Montalcino, de 2012, também estava divino e combinou perfeitamente. Sabe quando tudo encaixa e flui de  forma perfeita e surpreendente?

O restaurante, todo em parede de tijolinhos (amo!), tem 2 ambientes. Na verdade 3. A varanda, um ambiente mais classudo do lado de dentro e um todo de madeira, mais rústico, porém ser perder a classe, ao fundo. Fiquei com muita vontade de comer lá, mas meus acompanhantes preferiram o classudão.

Seguem as fotos do Zafferano:

colagem do zafferano de londres

A penúltima foto, sempre em sentido horário, é de um panetone que ganhamos. Era enorme. Eu ganhei um e minha irmã ganhou outro na saída. Não é cativante a cortesia inglesa?

Falei muito bem no instagram de um outro italiano, o SALE E PEPE, mas passada a euforia e fazendo um balanço geral, eu recomendo mesmo o Zafferano. O Sale e pepe, apesar de escurinho e aconchegante, é inferior ao zafferano em termos de comida, e é realmente desconfortavelmente barulhento. Sabe quando o restaurante está com crianças chorando, essas coisas? Hehe. De repente dei azar. Mas é um restaurante badalado e simples ao mesmo tempo. Descontraído e ótimo pra ver pessoas. Fica como uma segunda opção de italiano. Mas assino embaixo mesmo é do Zafferano.

Capiche?

Em relação aos preços, esses 2 ficariam naquela categoria “$$”. Nem muito caros, nem muito baratos. Mas Londres é cara por si só, e a libra está, atualmente, 4 vezes o real, então não sei se dá pra dizer que algo não é caro por lá. A gente até tenta, mas, enfim, é realidade do momento.

3 – O WINTERWONDERLAND!!! Pra quem for no inverno!

É uma feira com inspiração nas feiras de natal alemãs, cheias de luzinhas, que servem Glüh Vine – aquele vinho quente com especiarias – e onde as pessoas se reúnem para vender e lucrar no final do ano com os artesanatos que preparam ao longo dele!  É uma feira em alto estilo, com parque de diversões – Dos Bons!, produtos de qualidade e inusitados, comidinhas alemãs e o tradicional fish and chips! <3. OBRIGATÓRIO IR! Imperdível e total #santamordomiapocket = aquela santa mordomia que cabe no seu bolso! Rs.

10891690_381968375307602_3350537214750237432_n

4 – O indiano mais famoso de Londres – o AMAYA.

Essa dica foi de uma amiga super descolada dos meus pais que mora em Londres há anos e conhece tudo! Londres é famoso pelos bons restaurantes indianos e esse parece ser o mais top. Estava louca pra ir em um. O ambiente é bom e a comida também, apesar do excesso de pimenta da comida indiana, que a maioria dos brasileiros não está acostumada. Sempre acho que o excesso de pimenta mata o sabor, ao invés de realçar, concordam? Mas talvez seja uma questão cultural e de costume mesmo. Enfim, apesar de quase sempre associarmos comida indiana à vegetariana, algumas castas na índia e os trabalhadores braçais comem todo tipo de carne, exceto a consagrada vaca. Comemos bastante proteína animal nesse restaurante, mas havia uma parte vegetariana do cardápio, que fiquei com muita vontade de provar (meus professores de Yôga ficariam orgulhosos. Hehe. Mas não foi dessa vez.) Bom, de qualquer jeito, fica aqui a dica do AMAYA pra quem quiser conhecer um indiano de qualidade mais High-Profile em Londres.

Amaya Londres

1 – drink de grosélia que eu pedi; 2 – salada de noodles maravilhosa – pra mim, foi o melhor da noite; 2 – camarões apimentadíssimos; 3 – frango; 4 – ambiente; 5 – algo com fois gras, que obviamente estava bem bom, visto que nada com fois gras é ruim. Rs

Observação dentro do Item 4: Essa amiga dos meus pais também indica um chinês chamado Hakkasan Hanway Place. Eu nunca fui, mas meus pais foram com ela numa outra viagem e simplesmente AMARAM! Minha mãe disse que parece que você está dentro de uma boate e a comida é inesquecível. Achei que mesmo nunca tendo indo, valia compartilhar a dica aqui também, né?

5 – O ZUMA tem em Miami e em vários lugares do mundo, mas vale a pena ir nele se você estiver procurando por um bom japonês por aí em alguma viagem around the world. Bom, as fotos falam por si sós. Mas experimentem também o sushi vegetariano deles! É surpreendentemente sensacional! E o destaque vai para a sobremesa, que é um show à parte. ; )

zuma de londres

A primeira foto é de um drink de lichia com pétala de rosa que eu pedi. <3. O vegetariano é a segunda imagem e a sobremesa a última. não dá pra não pedi-la.

Espero que tenham gostado, gente! Comentem, acrescentem, tirem dúvidas, vamos nos falando!

Beijocas!

PS.: Passei os “adendos aos mordomos de dieta” para a nova categoria, que agora está no nosso MENU (eba!), SANTA MORDOMIA DE DIETA! Deem uma conferida! 😉